Francis Dhomont ~ ciclo de concertos



Francis Dhomont
compositor convidado
27-30 NOV 2018


Biografia

FRANCIS DHOMONT nasceu a 2 de novembro de 1926 em Paris. Estudou com Ginette Waldmeier, Charles Koechlin e Nadia Boulanger. No final dos anos 40, em Paris (França), intuitivamente descobre com o fio magnético aquilo a que Pierre Schaeffer chamaria mais tarde de "música concreta" e, consequentemente, conduz experiências solitárias sobre as possibilidades musicais da gravação de som. Mais tarde, deixando para trás a escrita instrumental, dedicou-se exclusivamente à composição electroacústica. Defensor fervoroso da música acusmática, o seu trabalho, desde 1963, é composto exclusivamente de obras musicais fixas sob suporte (fita) testemunhando o seu interesse contínuo na interação morfológica e nas ambiguidades entre o som e as imagens que o mesmo pode criar. O Conseil des Arts et des Lettres du Québec atribuiu-lhe uma bolsa de carreira de prestígio. Em 1999, foi premiado com cinco primeiros prémios para quatro dos seus últimos trabalhos em concursos internacionais (Brasil, Espanha, Itália, Hungria e República Checa). Em 1997, como vencedor do Canada Council for the Arts’ Victor Martyn Lynch-Staunton Award, foi também premiado pela DAAD com uma residência em Berlim (Alemanha). Cinco vezes vencedor do Bourges International Electroacoustic Music Competition (França) - o Magisterium Prize em 1988 - e 2º Prémio no Prix Ars Electronica 1992 (Linz, Áustria), recebeu inúmeros outros prémios. Francis Dhomont é editor de publicações especiais do Musiques & Recherches (Bélgica) e do Électroacoustique Québec: l’essor (Québec Electroacoustics: The Expansion) - for Circuit (Montréal). É ainda coeditor musical dos Dictionnaire des arts médiatiques (publicado pela UQAM), professor e produtor de vários programas de rádio para a Radio-Canada e Radio-France. Francis Dhomont divide o seu tempo entre a França e Québec, onde foi professor na Universidade de Montreal de 1980 a 1996. Vive em Avignon (França) desde 2004 e apresenta regularmente as suas obras em França e no estrangeiro. Grande viajante, participa enquanto membro do júri em diversos concursos internacionais.

Ciclo de Concertos
dedicados a Francis Dhomont
com a presença do compositor

Concerto #1
27.11.2018 | 19h00
Escola Superior de Música de Lisboa | Pequeno Auditório







Here and There (2003)

Esta obra foi concebida para 8 canais, sendo esta versão uma redução estereofónica. Embora as variações espaciais sejam menos perceptíveis aqui, o propósito é o próprio espaço.
O título desta obra poderia ter sido "Figures d’espace",  já que diferentes modelos de evolução sonora, dentro das três dimensões espaciais, constituem a essência de seu tema.
Portanto, trata-se de um estudo. Mas um estudo muito livre que não tenta demonstrar e não recusa um certo lirismo. Formalmente, é apresentado como uma série de proposições curtas cujo objecto são as múltiplas percepções do espaço habitado por sons.
No entanto, este princípio de articulação, mesmo que represente o núcleo da peça, não deve obscurecer o prazer sensual de simplesmente imergir no som. F.D.
Here and There,  encomendada por ‘New Adventures in Sound Art’, beneficiou de uma bolsa do ‘Conseil des Arts du Canada’. Foi estreada a 11 de maio de 2003 em Kitchener, Ontário (Canadá).
1º Prémio no V International Computer Music Competition ¯Pierre Schaeffer˜ 2005, Pescara, Itália.
Esta obra está editada no CD empreintes DIGITALes IMED 0682

Phonurgie (1998)

‘Phonurgie’ é a quarta e última parte do meu ‘Cycle du son’.
Este ciclo é uma celebração do som, uma grande descoberta do século XX e da música concreta. Homenagem à invenção decisiva de Pierre Schaeffer,
no seu quinquagésimo aniversário.
Phonurgie: "manufatura, modelagem, criação de som", presente, setenta anos após as primeiras tentativas, um dos estados actuais desta nova arte torna-se uma arte autónoma dos sons.
Embora as ferramentas tecnológicas tenham mudado consideravelmente e a "cor do som" não seja já a mesma, o pensamento e a escrita morfológicos ainda permanecem aqui, sob múltiplos aspectos, fiéis ao espírito dos primeiros "concertos de ruído". F.D.
Primeiro Prémio - III CIMESP 1999, Concurso Internacional de Música Electroacústica de São Paulo, Brasil.
Primeiro Prémio no 1º Concurso Internacional de Música Electroacústica "CibertArt" 1999, Valência, Espanha.
Phonurgie foi encomendada pelo ‘Deutscher Akademischer Austauschdienst’ (DAAD), foi realizada no sistema SYTER do INA-GRM (Paris) e no estúdio pessoal do compositor. A estreia deu-se a 25 de setembro de 1998 no Festival Inventionen '98, em Berlim.


Premières traces du Choucas (2006)

‘Première traces du Choucas' é uma investigação preliminar para a obra ‘Le cri du Choucas', um ‘work in progress’ de longa duração sobre o universo, a obra e a personalidade de Franz Kafka.
Kafka é a designação checa para gralha, uma espécie de corvo, cuja efígie serviu como um sinal na loja de Hermann Kafka, pai de Franz. O simbolismo animal, muito presente em Kafka, sugeriu-me essa reaproximação e este título: grito profundo e solitário, nunca enfático e muitas vezes sufocado, que é ouvido em cada romance deste autor, em cada história, ainda que fragmentária. Quanto ao C maiúsculo, atribuído no meu título à palavra “choucas" (gralhas), confirma que se trata de um nome próprio.
Os ‘Premières traces’ são uma abordagem impressionista dos temas de Kafka, guiados pelos escritos de Marthe Robert.
A obra ‘Premières traces du Choucas' é uma encomenda do ‘Réseaux’ (Quebec) e do ‘Musiques & Recherches’ (Bélgica), financiada pelo ‘Conseil des arts du Canada’. Foi realizada no estúdio pessoal do compositor em Avignon (França). Estreia a 21 de outubro de 2006 no 13º Festival Internacional de Acusmática "L'espace du son”, em Bruxelas; Estreia norte-americana a 2 de novembro de 2006 no Festival "Akousma (3)”, em Montreal.
Prémio do Público no VII CIMESP 2007, Concurso Internacional de Música Electroacústica de São Paulo, Brasil.
Nomeada "Criação do Ano" no 11º Prémio OPUS (2006-2007), Montréal.
CD ‘Études pour Kafka’, empreintes DIGITALes IMED 09102, Prémio OPUS 2009-10, Montreal - “Disco do ano".

Vol d’arondes (1999-2001)

Provence. Uma noite de verão, janela aberta sobre o azul que, aos poucos, escurece. Nessa profundidade azul irrepreensível, o voo virtuoso das andorinhas, uma comida coreográfica estridente sempre renovada. Deliciosamente, a noite nunca pára de cair. A aldeia está a preparar-se para a festa noturna cujos ecos chegam até mim. Um jacto começa sua descida em Marignane. Como tudo isso é simples!
Momento de felicidade puramente contemplativa, apenas perturbado por alguma agitação habitual do pensamento, rapidamente se afastou. "O céu está sobre o telhado ..."
Música de lembrança, conotativa, certamente, mas não naturalista. Memória e extensão de um trabalho anterior, Funny Birds (1985-86), que forneceu algum material.
Quanto ao espaço, também ele pertence à memória. F.D.
Encomenda de ‘Musiques et Recherches’, realizada no estúdio multi-canal "Métamorphoses d'Orphée", em Ohain, Bélgica.
Estreia mundial da primeira versão no VI Festival Internacional de Acusmática, XL-Théâtre du Grand Midi, Bruxelas, 21 de novembro de 1999.
Estreia mundial da nova versão no festival "Rien à voir (10)", Espace Go, Montreal (Canadá) a 15 de dezembro de 2001.
Menção honrosa em 2005 no Concurso Internacional de Música Electroacústica de São Paulo (CIMESP).

Phœnix XXI (2016)

Símbolo arquetípico de renascimento e continuidade, o que é a fénix musical?
Um traço / confirmação da vitalidade acusmática no início do século XXI, certamente.
Mas, para mim, trata-se também de uma nova vida infundida com cinzas sonoras desertas, gravações sonoras muito antigas e trechos ressuscitados, mas disfarçados de obras instrumentais. Uma espécie de eterno retorno, se quiserem, o presente - tão presente hoje - finalmente sendo o passado do futuro. F.D.
‘Phoenix XXI’ é uma encomenda do ‘INA-GRM’. A obra é composta por três andamentos encadeados e foi composta no estúdio pessoal do compositor em Avignon, França. Estreia mundial a 8 de outubro de 2016 em Paris (MPAA Saint Germain), concerto organizado pelo INA-GRM.
Selecção pelo ‘Futurs Composés', Secção Francesa da Sociedade Internacional para a Música Contemporânea - ISCM, para o Dia Mundial da Música de 2018 em Pequim.
Menção no concurso ‘Musica Nova’ 2016, Praga, República Checa.


Duração 70’


Conferência

28.11.2018 | 14h00
Escola Superior de Artes Aplicadas | Castelo Branco





Concerto #2
28.11.2018 | 19h00
Escola Superior de Artes Aplicadas | Castelo Branco






Miroitements (1989)

‘Miroitements’ é o primeiro andamento da obra ‘Chroniques de la lumière’ (1989).
Esta escuta impressionista de eventos visuais - um acto metafórico, certamente - é um devaneio pessoal de luz sobre uma ideia do artista de Montreal, Luc Courchesne.
Evocação de fenómenos luminosos, a radiação natural ou vários artefactos, todo a obra tem três andamentos: Miroitements (8'05), Artifices (10'23), Météores (12'48) (as últimas duas são encadeadas); ou, se preferir, Adagio, Allegro, Presto-Finale.
‘Miroitements’ inspira-se em mutações progressivas de luz, tal como surgem na natureza: madrugada e anoitecer, lenta subida da lua pálida, mudando na base da sombra de uma nuvem, reflexões solares na água imóvel.
Muitas “materiologias” (matéria e imagem) foram realizadas no estúdio 123, no Sistema Digital em Tempo Real "SYTER" INA-GRM (Paris). Agradeço especialmente a Bénédict Mailliard, Yann Geslin e Daniel Teruggi pelos seus conselhos inestimáveis. F.D.

Chiaroscuro (1987)

... ou os jogos de ambiguidade.
Naturalmente, este "claro-escuro" é o das sombras e das luzes, a opacidade ou a transparência do som e a incerteza entre um e o outro.
Mas, além disso, é especialmente a metáfora que arquivamos: o equívoco, a hesitação entre o dito e o sugerido, o rosto e a máscara (atenção: um som pode esconder outro), o manifesto e o latente.
Música em ‘trompe-l’oreille', diálogo de artifício e sensibilidade.
Como muitas vezes no meu trabalho, alguns materiais provêm de peças anteriores e encontram aqui um novo desenvolvimento. Gosto que o discurso seja continuado e concluído.
Além disso - homenagem aos compositores do "Evénements du neuf" (sociedade de concertos de Montreal), EVANGELISTA, GOUGEON, REA e particularmente em memória de Claude VIVIER - rendi-me aqui (com a cumplicidade descuidada das vítimas) a alguns surtos musicais que cintilam aqui e ali, espero, com um propósito um pouco misterioso.
Mutação do instrumento em objetos "espectro-morfológicos", cores entre as sombras ... F.D.
Prémio "MAGISTERIUM", 16º Concurso Internacional de Música Eletroacústica de BOURGES, 1988. "Auszeichnungen" (2º prêmio), Prix Ars Electronica 1992 (LINZ, Áustria).
Encomenda do "Evénements du neuf" subsidiados pelo ‘Conseil des Arts du Canada’.
Estreada a 10 de abril de 1987, Os "Evénements du neuf" em Montreal.
CD empreintes DIGITALes ("Mouvances-Métaphores", IMED-9107/08-CD), CD "Cultures électroniques 3" produzido pelo GMEB (Chant du monde LDC 278048) e CD "Der Prix Ars Electronica 92".

Machin de machine 2 (2012)

A Conlon Nancarrow, esta nova homenagem no centenário de seu nascimento.
‘Machin de machine 2’ é uma versão octofónica de ‘Machin de machine’, mais complexa e um pouco mais longa.
Aqui, como em muitas das obras de Nancarrow, é ainda à máquina que se pede a exploração de universos polirrítmicos demasiado complexos para serem controlados pelo controlo humano. Um exemplo claro de simbiose homem / máquina. F.D.
A primeira versão, ‘Machin de machine’, foi encomendada por Lucio Garau para o 2º Festival de Música Contemporânea de Cagliari (Sardenha).
Ambas as obras foram realizadas no estúdio pessoal do compositor em Avignon, França.
Menção honrosa no "Concurso Internacional de Música Electroacústica MUSICA NOVA 2012".

Le travail du rêve (2009-11)

‘Le travail du rêve' é o quarto dos meus "esboços autónomos" para ‘Le cri du Choucas’, uma longa obra sobre Kafka. Segue-se a ‘Premières traces du Choucas’, ‘Brief an den Vater’ e ‘À propos de K’.  
Na terminologia psicanalítica, ‘Le travail du rêve' descreve o processo de formação das imagens que habitam o nosso sono e as suas estratégias: associações, deformações, deslocamentos, condensações ... sintaxe de sonho que não é alheio ao estilo narrativo de Kafka:
  "O talento que tenho para descrever a minha vida interior, uma vida onírica - escreve ele no seu diário - deixou cair tudo o resto no acessório (...)).
A escrita musical é inspirada aqui por essa retórica com figuras inesperadas, essa estranheza, esses restos diurnos e metamorfoses que ocultam, sob uma aparente incoerência, o discurso travestido das profundezas do ser. F.D.
Encomendada pelo INA-GRM, França, realizada no estúdio pessoal do compositor em Avignon.
Estreia mundial da primeira versão a 30 de julho de 2009 no Festival de Radio France e Montpellier, Salle Pasteur/Le Corum. Estreia mundial da nova versão pelo GRM, Paris, a 22 de janeiro de 2011.

En cuerdas (1998)

Nascida de uma encomenda do guitarrista colombiano Arturo Parra, ‘En cuerdas' é a versão acusmática de uma obra para guitarra e fita. Esta versão, completamente independente da peça mista, é portanto uma composição autónoma.
O seu universo sonoro, no entanto, continua sendo o das cordas - comprimidas, esfregadas, percutidas - mas cordas metamorfoseadas pelo processamento do computador e multiplicadas pela escrita electroacústica. As variações morfológicas foram obtidas principalmente utilizando o sistema SYTER Real-Time Audio-Digital do Ina-GRM, em Paris.
No entanto, dentro de um quadro formal bastante rigoroso, reservo, como sempre, um lugar importante para sequências improvisadas. Mas aqui, apenas "momentos mágicos" serão guardados.
A meio caminho entre o acaso e a vontade, talvez se procure reconciliar a "finura e geometria" de Pascal.
Agradeço a Arturo Parra, cujas muitas texturas e sons fazem parte dos materiais desta peça, assim como ao Ina-GRM que generosamente abriu as portas do estúdio Syter. F.D.
Primeiro Prémio no ‘Concours International de Musique Électroacoustique’ “EAR ´99” da Rádio Húngara, Budapeste, Hungria.
Laureado do II Concurso Internacional de Música Contemporânea "Città di Udine", Itália, 1998.
Esta encomenda de Arturo Parra recebeu um apoio do ‘Conseil des Arts du Canada’. Foi produzida no estúdio pessoal do compositor em Montreal, estreada a 15 de maio de 1998 no Festival Musique Actuelle Victoriaville (Quebec, Canadá).

Duração 65’

Concerto #3
30.11.2018 | 21h00
Lisboa Incomum

Concerto 'Cycle du son'










Objets exposés (Étude aux objets) (1959, r. 
1971Pierre Schaeffer

‘Étude aux objets’ é apenas um reconhecimento apressado num campo imenso. Não apenas a escolha de objectos é fascinante, mas as leis da sua associação e desenvolvimento ainda são desconhecidas para nós. (...)
No primeiro andamento, Objets exposés, oito objetos sonoros diferentes formam uma frase confiada ao primeiro orador, a segunda replica um "contra-tema", que também é composto de oito objectos. Os desenvolvimentos são obtidos pela variação do tema que impõe a sua forma sobre as diferentes sequências de objectos na sua sucessão e sobreposição. P. Schaeffer, 1960.

 Cycle du son (1998) Francis Dhomont
1- Objets retrouvés,  2- AvatArsSon,  3- Novars,  4- Phonurgie

Este ciclo é uma celebração ao som, uma grande descoberta do século XX e à música concreta. Uma homenagem ao 60º aniversário da invenção de Pierre Schaeffer, que constitui claramente uma reviravolta musical sem precedentes.
Extraído do material sonoro do primeiro andamento do ‘Étude aux objets’, de Schaeffer, e também de uma colecção pessoal de sons acumulada ao longo dos anos, estas quatro peças saltam constantemente umas sobre as outras, interpelando-se,  respondendo em ecos, complementando-se: alusões, comentários, metonímias, extensões. Eles evocam, em qualquer liberdade poética, uma viagem histórica e tendem a ligar-se entre o sábio objecto de observação de Schaeffer e as mais selvagens "métamorphologies" de arte sonora.

Apesar das ferramentas tecnológicas terem mudando e a "cor do som" não ser de todo a mesma, o pensamento e a escrita morfológica ainda permanecem aqui sob múltiplos aspectos, fiel ao espírito dos primeiros “concertos de ruídos". F.D.

1- Objets retrouvés

Tanto o lamento quanto a marcha fúnebre, essa paráfrase do ‘Étude aux objets’ de P. Schaeffer não está desvinculada do estilo do coral ornamentado ou figurado. Três vozes (no sentido contrapontístico do termo), elaboradas a partir dos elementos do primeiro andamento deste Étude, ornamentam e habitam os longos períodos dos objectos originais que constituem o "coral", a quarta voz dessa polifonia. A escolha de uma forma clássica, tão presente em Bach, não é inocente quando se trata de honrar a memória de Schaeffer; gosto de me convencer de que ele não teria sido insensível à alusão.
‘Objets retrouvés’ foi realizada no estúdio pessoal do compositor em Montreal. Tratamentos obtidos graças ao sistema "SYTER" Real Time do INA-GRM, Paris. Estreia a 31 de maio de 1996 pelo GMEB no Festival de Bourges "Synthèse 96": "Tribute-Tomb of Schaeffer”. F.D.

2- AvatArsSon

Luz intensa crónica da música concreta e da sua durabilidade através de mutações e metamorfoses incessantes.
Aqui encontramos um aspecto fundador da "nova música", que, graças ao conceito de "objecto sonoro", permitiu o advento de um universo musical multidimensional. Evocações também, claro, de desvios heurísticos férteis. Mas é principalmente uma metáfora e uma abreviação de alguns estágios da odisseia sonora - ouvida por ele mesmo e pelas suas "imagens" (Bayle) reveladas - e a sua implementação. Aqui, o aficcionado pode descobrir o rasto de muitos tributos furtivos.
Seis partes encadeadas: 1- Fundação, 2- Avatares, 3- Vozes, 4- Aventuras, 5- Paisagens, 6- Continua...
AvatArsSon é uma encomenda especial do Ministro da Cultura (França) e do INA-GRM para os 50 anos da música concreta, realizada no estúdio SYTER do Ina-GRM e no estúdio pessoal do compositor, em Montreal. Estreia no "Cycle acousmatique" do GRM a 11 de maio de 1998, PARIS, Grande Auditório da Radio-France. F.D.

3- Novars

Novars saúda o nascimento da Música Concreta,  Ars Nova do nosso século, usando os recursos do computador.
Não se trata de imitar, mas, pelo contrário, para testemunhar que através dos meios mais actuais, uma linguagem foi realmente transmitida.
Talvez também seja possível, sem estabelecer uma simetria simplista, sugerir que, separados por seis séculos, há algum parentesco entre esses dois teóricos de uma nova arte: Vitry e Schaeffer.
Assim, um ouvido "clássico" pode reconhecer fragmentos do 'Etude aux objets de P. Schaeffer e a Messe de Nostre Dame de G. de Machaut. Estes contributos indiretos constituem - com um terceiro elemento de som, uma espécie de tributo / sorriso a Henry e a sua famosa porta - todo o material que dá origem a múltiplas variações.
Os meus sinceros agradecimentos a Pierre Schaeffer, que gentilmente me permitiu o empréstimo de algumas propostas sonoras agora históricas. A minha gratidão a Benedict Mailliard, Yann Geslin e Daniel Teruggi, tão pacientes, sem os quais eu não poderia ter assumido o controlo do Studio 123 e o Sistema de Tempo Real "SYTER" do INA-GRM.
Novars é uma encomenda do INA-GRM, realizada nos seus estúdios e no estúdio pessoal do compositor, em Montreal. Estreia no "Cycle acousmatique" do GRM a 29 de maio de 1989, PARIS, Grande Auditório da Radio-France. F.D.

4 - Phonurgie

Phonurgie, neologismo: "manufatura, modelagem, criação de som". O título enfatiza a importância dada nesta última parte à "invenção do som" (Bayle), no primeiro sentido da descoberta.
Ao contrário das outras peças deste Ciclo, Phonurgie cita apenas um breve objeto do estudo Schaefferiano, pondo fim à escuta da herança, enquanto a primeira parte, ‘Objets retrouvés', por exemplo, desenhou todos os seus materiais e estrutura. Para este quarto tributo, as alusões originais desaparecem antes das proposições originais; A filiação não é negada, mas aqui, a criança, finalmente maior, declina sua identidade.
Certamente, encontramos elementos parafraseados de ‘Novars', que parafraseou ‘L'Etude aux objets’: comentário do comentário; certamente, o som conclusivo é uma evocação do ‘AvatArsSon’. Mas neste desenlace não há mais nada além de uma lembrança desbotada de climas anteriores.
‘Phonurgie’ foi encomendada pelo Deutscher Akademischer Austauschdienst (DAAD), realizada no sistema SYTER do INA-GRM (Paris) e no estúdio do próprio compositor em Montreal. Estreou a 25 de setembro de 1998 no Inventionen '98 Festival, em Berlim. F.D.


27-30 NOV
Exposição permanente da instalação "Chambres d'Enfants" de Ana Mandillo
Lisboa Incomum
(confirmar disponibilidade para visita através de diasdemusicaelectroacustica@gmail.com)



“Chambre d’Enfants” é uma instalação artística com luz e música que nos convida a ingressar numa viagem ao universo fantasmagórico de um quarto de criança enquanto, no escuro, o sono tarda a chegar. Nesta viagem a artista ressalva a importância de acordar e sublimar os medos inconscientes pela tomada de consciência dos fantasmas que em nós habitam adormecidos.

"Sem as fantasias que nos dão esperança, não temos a força para enfrentar as adversidades da vida. A infância é o momento em que essas fantasias precisam de ser mantidas"
Bruno Bettelheim 1976
The Uses of Enchantment: The Meaning and Importance of Fairy Tales, Knopf, New York

(trad. portuguesa: Psicanálise dos contos de fadas)


ANA MANDILLO
1963: Nasce em Lisboa.
1966-1977: Frequenta o Lycée Français Charles Lepierre (Lisboa);
1977-1980: Frequenta a Escola António Arroio;
1985: Forma-se no Curso Profissional de Formação de Actores no Centro Cultural de Évora;
1989-1992: Frequentou o Ar.Co na área de desenho e pintura;
Enquanto actriz integrou a Companhia do Centro Cultural de Évora; participou em diversos filmes, nomeadamente “Vertige” por Christine Laurent, ou “Bodas de Deus” de João de César Monteiro, entre outras produções cinematográficas; integrou de 2006 a 2014 o projecto “Teatro Electroacústico” da Miso Music Portugal. 
Ana Mandillo desenvolve simultaneamente diversas actividades culturais no campo da pedagogia, nomeadamente, no Serviço Educativo do Museu Nacional da Marioneta (1989-1994), na fundação do Centro de Iniciação Ambiente da Liga para Proteção da Natureza, e do Serviço Educativo do Museu Condes de Castro Guimarães em Cascais (1994-2007). Em 1996, foi-lhe concedida uma bolsa de pósgraduação em Museologia, pela Fundação Calouste Gulbenkian, para uma formação de seis meses no Musée de la Marionnette de Lyon (França), sob o tema da gestão das crianças deficientes através da marioneta.
No campo das Artes Plásticas, realiza a sua primeira exposição individual de pintura e escultura em 1986 na Galeria Gesto.Arte. Seguiram-se várias exposições, salientando-se as exposições no Botequim. Em 1996 a sua casa-atelier sofreu um incêndio maciço que destruiu grande parte da sua colecção e a exposição que preparava na época.
Em 2010 inicia a sua colaboração com o jornal “Le Monde Diplomatique” – edição portuguesa - na ilustração de artigo e a editora Monóculo dedica-lhe uma edição monográfica “Impressões do caminho fresco”.
Exposições mais recentes:
2012 Exposição individual na Galeria dos Prazeres na Madeira.
2013 Exposição individual no Centre Jean Vilard em Revin, França.
2014 Inicia um estudo de luz para a peça electroacústica do compositor Francis Dhomont “Fôret Profonde”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

CALL FOR PIECES • Culture and Sustainability Symposium

Culture and Sustainable Cities - International Symposium

Concertos • Spatial Interpretation of Acousmatic Music • International Masterclass