Maxime Michaud | Residência Artística DME | Agosto-Setembro 2018


Biografia 
Nascido no início dos anos 90. Aquário, ascendente de Libra. Descrito como gentil e criativo. Fez parte do desaparecido coletivo anónimo Sasskou. Colaborou com a cooperativa artística Le Sacre.  Colabora pontualmente com Les Mêmes-Cacaïstes e Jeunesse Cosmique. Interessa-se no ser humano na sua totalidade (quase), complexidade e nas suas buscas. Tenta dedicar-se à prática diária da arte; também gosta de cinema e música e outras coisas. Leva o seu tempo. Obteve uma licenciatura em Comunicação: Realização (Cinema) na UQAM. Presentemente, integra o Mestrado em Comunicação: Pesquisa-Criação em Meios Experimentais sob a Rede Hexagrama. Trabalha sobre imersão, cognição/percepção e sobre a questão do ‘bem-estar’. Utiliza frequentemente sensores de ondas cerebrais e outros dispositivos psicofisiológicos. Fez curtas-metragens, ‘videoclips’, performances e audio-visual. Trabalha como freelancer. O seu instrumento principal é a voz. Muitos dos seus projetos, como o seu primeiro documentário feito com um reduzido orçamento, ‘Who We Are’, viajaram por festivais. Recebeu vários prémios. A sua arte foi a Londres (London Institute of Contemporary Arts), Munique (FilmFest), Moscovo (VGIK), Morelia (CMMAS, Visiones Sonoras), Osaka (INTAC), Vancouver (DOXA) e Montreal (Eastern Bloc, Elektra/Mian , RIDM…). Não hesita em reunir todas as suas paixões ou explorar novas direções. Maxime é um observador sensível, um pensador e experimentador volátil.

Projecto a desenvolver durante a residência
Criação de uma obra/performance audiovisual, com recurso a electrónica fixa e em tempo real, com a duração aproximada de 45 minutos.

Descrição
 "[ ...] For concepts and notions that surpass us, for words, and mindfulness. For my dear friends and family, for their presence, their love. For those who hurt me, and to whom I forgive. For hard times, for winter. For ourselves. [ ... ] " 
É daqui que parte esta performance. Vem de um apelo sincero e de estados ambíguos. Nasceu de momentos difíceis, momentos reais e memórias. Pertence a um sincero desejo de tentar. Esta experiência audiovisual etérea, plena e perturbador, que pode estar ligada a vários géneros, incluindo o "drone" minimalista, ainda produz um pouco de luz... 
Com poucos microfones de contacto fixos no seu corpo, um sensor de ondas cerebrais, algoritmos, um computador, uma taça tibetana e especialmente a sua presença, Maxime Michaud render-se-á a todos. Brutalmente, honestamente, oferece a possibilidade de uma viagem perceptiva, inevitável e sentida. Uma viagem aqui como em outros lugares; é uma questão de evocar sem poder necessariamente descrever, evocar para si mesmo e para o outro. O que acontece no corpo simplesmente acontece. ‘Le doux parfum de l’insouciance' existe por meio de amor e gratidão por todos os seres, por todos nós, que não sabemos.

http://www.maximemichaud.com/


Atividades públicas



8 SET 2018
21h30

Casa Municipal da Cultura de Seia
concerto audiovisual















29 SET 2018
19h30

Lisboa Incomum
concerto audiovisual







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Electroacústico por um dia

International Summer School • Composition • 2020

Concurso "Nano Músicos Electroacústicos" 2020