Åke Parmerud & Barbara Held




O espaço Lisboa Incomum apresenta dia 13 de abril a flaustista Barbara Held e o residente Åke Parmedud. Juntos apresentarão musica experimental improvisada com recurso a video e electrónica. 

Biografias


Barbara Held: A Respiração e Suas Transformações

Barbara Held, há muito conhecida na música experimental e nos círculos sonoros de Nova York e Espanha, especificamente Barcelona nas últimas duas décadas, é uma instrumentista que realiza e responde às subtilezas de espaços e lugares. O seu trabalho sonoro com foco na flauta oferece outros caminhos para liberar o som como um meio físico mais baseado no tempo, conhecedor de outras formas.

Uma das características convencionais da flauta é a “pureza” de seu timbre. A flauta, poderíamos dizer, "purifica" a respiração humana: ao passar pelo instrumento, a respiração humana é "moldada" pelo tubo para se tornar um tom puro - mais puro do que, por exemplo, a voz humana. Em grande parte do trabalho de performance e instalação de Held, a flauta inicia um circuito. Estruturas digitais modulam suas freqüências harmônicas, tornando a “pureza” do instrumento impura.

Durante a sessão / demonstração informal, ela discutirá suas realizações de obras icônicas de Alvin Lucier, Seth Cluett, David Behrman, Carles Santos, Joan Brossa, Eugenia Balcells e projetos recentes em colaboração com Ake Parmerud, Daniel Neumann e Benton C Bainbridge.


Åke Parmerud seguiu uma bem sucedida carreira profissional na área da música contemporânea e ‘media art’ desde o final da década de 70.
Embora originalmente tenha estudado fotografia (1972-74), de seguida foi estudar música na universidade e posteriormente no Conservatório de Música de Gotemburgo.
Para além da sua música electroacústica e instrumental, a sua prolífica lista de obras inclui composições que abrangem a música experimental moderna nas áreas da dança, cinema, arte interactiva, multimédia, teatro e vídeo.
O trabalho de Åke tem sido aclamado desde que a sua peça "Proximities" recebeu o primeiro prémio no Festival Internacional de Música Electroacústica de Bourges, em 1978, em França. Desde então, recebeu 17 prémios internacionais e 3 relevantes prémios suecos.
Em duas ocasiões, recebeu igualmente o "Grammy" sueco para ‘Melhor Álbum Clássico do Ano’ e a sua música representou a Rádio Sueca duas vezes no Prix Italia.
Recebe regularmente encomendas de importantes instituições internacionais e as suas obras foram apresentadas em todo o mundo. Em 1997, a sua peça "Grains of Voices" foi apresentada na U.N, em Nova York, no dia das Nações Unidas.
A sua música foi lançada em vários álbuns e compilações e, em 1998, tornou-se membro da ‘Royal Academy of Music’ da Suécia.
Åke Parmerud não é apenas compositor, mas também artista de palco, apresentando concertos electroacústicos utilizando vários tipos de instrumentos interactivos - muitas vezes a solo. Viajou extensivamente na Europa, América do Norte e do Sul.
No final dos anos 80, associou-se ao compositor Anders Blomqvist, e as suas apresentações ao vivo - que incluíam fogo de artifício - foram bem sucedidas em toda a Europa até à década de 90.
Nos últimos dez anos, Åke trabalhou como designer inovador de software e de som para instalações áudio / visuais interativas. As suas obras "The Fire Inside", "The Living Room" e "Lost Angel" foram exibidas em Berlim, Gotemburgo, Leon, Cidade do México, Paris e Reykavic. Åke também projectou concertos e foi director artístico de grandes eventos de áudio / visual tanto em ambientes fechados como abertos.
A reputação artística de Åke levou a várias colaborações criativas internacionais. Entre 1999 e 2006, trabalhou em estreita colaboração com a "equipa de arte" dinamarquesa ‘Boxiganga’, desenvolvendo revolucionárias instalações de vídeo interactivo e explorando conceitos telemáticos e soluções interactivas para performances ao vivo. Em 2000, 2001 e 2002, também trabalhou com o coreógrafo canadiano Pierre-Paul Savoi como compositor, designer de som e software.
O seu mais recente trabalho, "Metamorphos”, foi desenvolvido em conjunto com a coreógrafa canadiana Mireille Leblanc, que também coreografou a instalação interactiva de som / vídeo "Lost Angel" e a premiada performance "The Seventh Sense".
Recentemente formou a AudioTechture com Olle Niklasson. Esta é uma empresa especializada em design acústico de interiores para diversos ambientes, desde casas particulares até espaços públicos.
A Audiotechture recebeu o prestigiado prémio de design Red Dot 2015.











Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Culture and Sustainability Symposium • 2019 • Lisboa Incomum

Yves Henry • Conferência & Recital • Escola Superior de Música de Lisboa

DME Dezembro • Seia