Festival Música Contemporânea Évora 2021



Festival de Música Contemporânea de Évora

15 a 17 de Outubro de 2021


4 Concertos | 1 Teatro Musical Comunitário | 1 Residência Artística | Momentos musicais pela cidade

O programa do Festival de Música Contemporânea de Évora será levado a cabo por cerca de duas dezenas de músicos de elevado reconhecimento nacional e internacional. 


O Síntese — Grupo de Música Contemporânea, sediado na Guarda, fará a abertura o do festival. É um dos ensembles portugueses mais ativos dedicados exclusivamente à interpretação de música dos nossos dias, com especial atenção à música de compositores portugueses ou residentes em Portugal.

Uma das atividades mais especiais deste programa, pelo envolvimento com a comunidade local, é o teatro musical “Bartolomeu, o voador”. É da autoria do compositor Jaime Reis e trata-se de uma homenagem a Bartolomeu de Gusmão e José Saramago. A sua interpretação envolve um coro comunitário com elementos do Coral de Évora e do Coro da Universidade de Évora. A direção musical é do Maestro Pedro Nascimento e a encenação de Paulo Alves Pereira, contando com uma equipa artística composta por alunos e professores na Escola de Artes da Universidade de Évora.

O Ensemble DME, ensemble residente do festival DME, tem maioritariamente dedicado o seu trabalho à interpretação da música erudita contemporânea. No seu concerto escutaremos a interpretação de uma obra seminal da corrente Espectralista, da autoria de Gérard Grisey — Vortex Temporum, e ainda uma estreia absoluta do compositor Amílcar Vasques-Dias.

O concerto de domingo à tarde focará um compositor que tem uma ligação especial com a cidade de Évora: Pedro Latas, jovem compositor natural desta cidade, actualmente a realizar os seus estudos em Haia (Holanda).

O festival fecha com o concerto do Quarteto Diotima, um dos mais conceituados quartetos de cordas da atualidade. O seu repertório abrange música desde o século XIX até aos dias de hoje, tendo trabalhado diretamente com alguns dos compositores mais marcantes da segunda metade do século XX, como Pierre Boulez e Helmut Lachenmann. Dentro do programa a apresentar, destacamos uma estreia absoluta de Luis Naón, professor no Conservatório Superior de Música e Dança de Paris, para quarteto de cordas e electrónica, obra que requer um sistema imersivo de difusão de som, constituído por dezasseis colunas à volta da audiência.



PROGRAMA
(em atualização)


· 15 de Outubro de 2021 ·

Síntese - Grupo de Música Contemporânea


Auditório Mateus d'Aranda, Universidade de Évora

21:30


Reserva de lugar aqui.


 

Síntese – Grupo de Música Contemporânea

Programa

João Pedro Oliveira (1959): The delicate essence of dreams (2020)

Christopher Bochmann (1950): Asas (2020)

Rúben Borges (1994): Egeu (2020)

Jesús Torres (1965): Itinerario (2020)

Ana Seara (1985)Três canções de amigo (2020)


Síntese – Grupo de Música Contemporânea:

Carlos Canhoto, saxofones 
Carisa Marcelino, acordeão 
Gustavo Delgado, violino I 
Alfeu Carneiro, violino II 
João Pedro Delgado, viola 
Rogério Peixinho, violoncelo
Helena Neves, soprano 
Yan Mikirtumov, maestro


Síntese – Grupo de Música Contemporânea | Biografia

O Síntese - GMC é um grupo de música de câmara modular e aberto, vocacionado para a criação de nova música. Desde a sua criação encomendou e estreou cerca de quarenta obras de compositores portugueses de diferentes gerações e visões estéticas. Desde 2006 tem vindo a organizar o ciclo homónimo “Síntese – Ciclo de Música Contemporânea da Guarda”. Nas suas catorze edições este ciclo contou com nomes relevantes da cena musical contemporânea nacional e internacional, para além de um conjunto de actividades de natureza pedagógica e de enquadramento no meio social em que se realiza. No âmbito destes ciclos foram estreadas obras encomendadas aos compositores João Pedro Oliveira, Cândido Lima, Hugo Vasco Reis, Sérgio Azevedo, António Pinho Vargas, Pedro Amaral, Eduardo Patriarca, Christopher Bochmann, Amílcar Vasques Dias, José Carlos Sousa, Jaime Reis, Paulo Vaz de Carvalho, Anne Victorino de Almeida, Fernando Lapa, José Carlos Sousa, António Chagas Rosa, Vasco Mendonça, Ângela Lopes, Sara Carvalho, Nuno Côrte-Real, Ângela da Ponte, entre outros. Algumas destas obras foram gravadas nos dois CD’s até agora editados pelo Síntese: "2010", com obras de C. Bochmann, A. Vasques Dias, J. Carlos Sousa e E. Patriarca (2010) e “Poiesis”, com obras de A. Cha- gas Rosa, C. Bochmann, A. Pinho Vargas e F. Lapa (2019). O Síntese tem também colaborado na edição de gravações de música contemporânea, nomeadamente “Viola Solo e Electrónica – Música de Compositores portugueses”, de João Pedro Delga- do (2015) e “Shout” de Carlos Canhoto (2016). O Síntese tem prevista para este ano ainda a gravação de um novo CD. O Síntese tem vindo também a divulgar a música que cria fora das fronteiras portuguesas, com concertos realizados em Espanha (Madrid e Badajoz), França (Estrasburgo) e com concertos previstos para 2022 no Brasil, Itália, Alemanha e Geórgia.

Síntese GMC

Yan Mikirtumov

· 16 de Outubro de 2021 ·

Bartolomeu, o voador


Arena d'Évora

17:00


Reserva de lugar aqui.


Programa

Jaime Reis (1983): Bartolomeu, o voador (2018)
Teatro musical para coro infantil, narrador, flauta, clarinete, violino, violoncelo, piano e electrónica

Ficha Artística

Jaime Reis, composição
Paulo Alves Pereira, encenação
Pedro Nascimento, direção musical  - coro
Mafalda Lopes, assistência de encenação
Núria Guedes, figurinos
Atelier Paula Vital, confecção dos figurinos
Fabrisio Canifa, desenho de luz

Interpretação – teatro:
Alex Istrate
Beatriz Fial
Catarina da Silva
Daniel Ribeiro
Danilsa Gonçalves
David Almeida
Gustavo Vasconcelos
Iuri Kruschewsky
Maria Galante Góis
Mariana Montenegro
Nuno Duarte
Rute Rocha Ferreira
Sofia Gonçalves

Interpretação – partes instrumentais:
Monika Streitová, flauta solista (1º andamento)
Caio Rodrigues, electrónica
Eduarda Vieira, clarinete
Elisabel Acetosi, piano
Júlia Nunes, violino
Miguel Pires, percussão
Raquel Pernas, violoncelo
Rui Caeiro, flauta

Departamento de Motricidade Humana:
Prof. José Parraça
Diogo Silva
João Beicinha
João Pedro Cordeiro
Magda

Projecção Vídeo

Estudantes / Licenciatura de Artes Plásticas e Multimédia DAVD/EA/UE:
Afonso Narciso
Alexandra Simões
Ana Nunes
Ana Rita Raposo
Ana Teresa Barrigó
Andreia Carriço
Beatriz Bento
Bernardo Martins Marques
Carolina Abrantes
Carolina Carrudo
Cláudia Farófia
Cláudia Martins
Duarte Alho
Francisco Miguel Neto Projecto
Inês Barreto
Inês Figueira
Inês Viegas
Jéssica Matos
Joana Almas
Joana Filipa Peralta
João Cruz
Luciana Henriques Santos
Madalena Correia
Mafalda Gonçalves
Marcia Galo
Margalida Batle
Margarida Carreiras
Margarida Correia
Mariana Bernardino
Michael Walter de Aragão Rönning
Michelle Medeiros
Nathalia Cavalcante
Ricardo Nunes
Sara Manuel Cardoso
Sara Nobre Raposo
Sara Real de Matos
Sofia Liu
Sofia Silva
Verónica Anjos

Co-ordenação / Licenciatura de Artes Plásticas e Multimédia DAVD/EA/UÉ):
Prof. Miguel Soares
Prof. Teresa Veiga Furtado
Prof. Vítor Gomes

Apoio Técnico / EA/UÉ:
Assistente Técnico de Audiovisuais: Miguel Gonçalves
 
Interpretação – coro:
 
Corué - Coro da Universidade de Évora
Coral Évora
 
Alexandru Istrate

Amélia Soares

António Alves

Beatriz Quitério

Carolina Fogaça

Caroline Voorst

Catarina Alves

Daniel Ribeiro

Daniel Saias

David Estevinho

Domingas Simplício

Dulce Candeias

Eulália Barbosa

Eunice Batista

Fátima Godinho

Francisco Lopes

Graça Carneiro

Guilherme Silva

Helena Junça

Inácio Barrambana

Joana da Cruz

Joaquim Godinho

Leila Rafael

Margarida Estevinho

Maria dos Santos

Mariana Peças

Matilde Martins

Olga Grilo

Paula Serra

Sofia Gonçalves

Teresa Barbosa

Teresa Batista

Vera Matos


Conservatório Regional de Artes do Montijo
 
Afonso Caeiro

Afonso Figueira

Alexandra Rodrigues

Alexandre Streltsov

Alice Godinho

Ana Filipa Lopes

António Baudoin

Carolina dos Santos

Catarina Ribeiro

Catarina Caldeira

Constança Neves

Daniela Santos

David Lopes

Diogo Pereira

Diogo dos Santos

Duarte Bernardo

Eduardo Nogueira

Francisco Santos

Guilherme Pedro

Gustavo Marques

Helena Caldeira

Henrique Brandão

João Henriques

João Brás

Leonardo Alves

Lucas Ribeiro

Luísa Teixeira

Madalena Faria Sousa

Mara Braneanu

Margarida Ramos

Maria Ferreira

Mariana da Silva

Martim d`Aires

Matilde Areias

Matilde Fialho

Miguel Santos

Rita Bravo

Sara Silva

Sofia Castro 






Concerto Ensemble DME – Vortex Temporum


Auditório Christopher Bochmann do Colégio Mateus d'Aranda, Universidade de Évora

21:30  


Reserva de lugar aqui.


Programa

Amílcar Vasques-Dias (1945): Cal Viva * (2021)
para flauta e clarinete

Luis Naón (1961): Clairière II (2013)
para clarinete solo

Brian Ferneyhough (1943): Cassandra’s Dream Song (1970)
para flauta solo

Gérard Grisey (1946-1998): Vortex Temporum III (1994 -1996)
para piano e cinco instrumentos

* Estreia Absoluta. Encomenda Festival DME/Câmara Municipal de Évora.
+ Estreia em Portugal


Ensemble DME:

Pedro Pinto Figueiredo, direção musical
Mafalda Carvalho, flauta
Carlos Silva, clarinete
Ana Telles, piano
Ludovic Afonso, violino
Ana Monteverde, violeta
Ângela Carneiro, violoncelo


Ensemble DME | Biografia

O Ensemble DME foi criado em 2013 no âmbito do Festival DME (Dias de Música Eletroacústica), uma iniciativa fundada pelo compositor Jaime Reis para promover a prática musical contemporânea e electroacústica, sediada em Seia, Portugal. O núcleo principal dos músicos são professores no Conservatório de Música de Seia,  que partilham a paixão pela música contemporânea. Tem como maestros residentes Pedro Pinto Figueiredo e Jean-Sébastien Béreau.
O Ensemble DME já actuou em numerosas salas de concertos e festivais, dos quais destacamos a Fundação Logos (Gent, Bélgica), a digressão pelo Brasil com mais de uma dezena de concertos, Casa da Música (Porto), Palácio Foz (Lisboa) e Cine-Teatro Avenida (Castelo Branco).
Desde 2017, o Ensemble DME já editou 4 CDs como edição de autor e na reconhecida editora do CMMAS – Centro Mexicano para a Música e as Artes Sonoras.
Ao longo de quase uma década de actividade, o Ensemble DME tem interpretado obras de compositores como Brian Ferneyhough, Christopher Bochmann, Elliott Carter, Gerhard Stäbler, Gérard Grisey, Jaime Reis, Jean-Sébastien Béreau, João Pedro Oliveira, Ludger Brümmer e Mario
Mary.



Ensemble DME



· 17 de Outubro de 2021 ·

Concerto
Sala dos Espelhos do Colégio Mateus d'Aranda, Universidade de Évora
15:00

Reserva de lugar aqui.

Programa

Pedro Latas (1998): Os chaparros crescem e as azinheiras mingam* (2021)

* Encomenda Festival DME/Câmara Municipal de Évora


Pedro Latas, by Alex Schröder


Para o Festival de Música Contemporânea de Évora, Pedro quer analisar e reflectir sobre a
sua relação com a música tradicional. Apesar de ter nascido e crescido numa área com uma tradição
musical muito própria e mundialmente reconhecida ele sente que não interagiu com ela de maneira
profunda. Para ele a tradição musical do Alentejo é como uma névoa: rodeia-o constantemente mas
impossível de tocar.


Quarteto Diotima

Auditório Christopher Bochmann do Colégio Mateus d'Aranda, Universidade de Évora

21:30


Reserva de lugar aqui. 



Programa

Misato Mochizuki (1969): Brains (2016)
Quarteto de cordas

Stefano Gervasoni (1962): Clamour (2014)
Quarteto de cordas

Luis Naón (1961): Quarteto de cordas nº 3 (2021) 
Quarteto de cordas e electrónica


◊ Estreia Absoluta. Encomenda Ircam-Centre Pompidou, ProQuartet - Centre européen de musique de chambre Paris, ICST - Institute for Computer Music and Sound Technology, com o apoio de Nicati - de Luze Foundation, creation 2021 (30'). Informática musical da obra realizada nos estúdios IRCAM-Centre Pompidou; produção de informática musical IRCAM: Augustin Muller.


Quatuor Diotima, by François Rousseau


Ficha Artística e Técnica

Quarteto Diotima:
Yun-Peng Zhao, violino I
Constance Ronzatti, violino II
Franck Chevalier, violeta
Pierre Morlet, violoncelo

IRCAM:
Augustin Muller, realização de informática musical
Clément Cerles, engenheiro de som


Biografias

O Quatuor Diotima é um dos grupos de música de câmara mais conceituados no mundo hoje; foi formado em 1996 por antigos alunos do Conservatório Nacional de Paris (Conservatoire National Supérieur de Musique de Paris).

O nome do quarteto evoca um duplo significado musical: Diotima é, ao mesmo tempo, uma alegoria do romantismo alemão – Friederich Hölderlin dá o nome ao amor da sua vida no seu romance “Hyperion” – e um grito de guerra para a música do nosso tempo, brandido por Luigi Nono na sua peça “Fragmente-Stille, an Diotima”.

O Quatuor Diotima colaborou com alguns dos maiores compositores do final do século XX, nomeadamente Pierre Boulez e Helmut Lachenmann. O quarteto encomenda regularmente novas obras aos compositores mais consagrados dos nossos tempos, incluindo Toshio Hosokawa, Miroslav Srnka, Alberto Posadas, Mauro Lanza, Gérard Pesson, Rebecca Saunders e Tristan Murail.

Refletido no espelho da música actual, o quarteto projecta uma nova luz sobre as obras-primas dos séculos XIX e XX, particularmente as de Beethoven, Schubert, da Segunda Escola de Viena (Schoenberg, Berg e Webern), bem como de Janáček, Debussy, Ravel e Bartók.

Na rica discografia do quarteto encontram-se, entre outros, a gravação de todos os seis quartetos de cordas de Béla Bartók (Naïve, 2019), interpretações da Segunda Escola de Viena (Naïve, 2016) e a versão definitiva do “Livre pour Quatuor” de Pierre Boulez (Megadisc). As suas gravações são regularmente elogiadas e premiadas pela imprensa musical internacional: revista francesa Diapason “Diapason d'Or” (cinco prémios, incluindo dois Melhores do Ano), Classica (Melhor do Ano), Télérama, Grammophone (Escolha do Editor), The Strad, e muitos outros.

O Quatuor Diotima grava com exclusividade para a Editora Naïve há dez anos; em 2016 lançaram com a editora a Colecção Diotima, dedicada às obras dos principais compositores da nossa época. Os primeiros lançamentos da colecção, dedicados a Miroslav Srnka e Alberto Posadas, serão seguidos de retratos musicais de Gérard Pesson, Enno Poppe e Stefano Gervasoni, a serem lançados numa colectânea pela Naïve, em 2021. Além disso, música de câmara de Mauricio Sotelo será também apresentada em álbum.

Desde 2008, o Quatuor Diotima mantém uma relação privilegiada com a Région Centre-Val de Loire, que acolhe o quarteto em residência. Essa relação é também um importante laboratório de projetos artísticos e pedagógicos. O Quatuor Diotima desenvolveu uma série de concertos de quarteto em Orléans, que reúne uma nova geração de quartetos com ensembles já formados. Na l’Abbaye de Noirlac, o quarteto apresenta e dá masterclasses que reúnem jovens compositores e quartetos de todo o mundo.

O Quatuor Diotima apresenta-se regularmente nas melhores salas e séries de concertos do mundo. Actuam nesta temporada em séries de música de câmara de renome, bem como aquelas dedicadas a estreias mundiais e música contemporânea (como por exemplo, o centenário da Donaueschinger Musiktage, Amsterdam Muziekgebouw, Konserthuset Estocolmo, Marselha, Saint-Jean-de-Luz, Bozar Brüssel, Bienal de Quartetos de Cordas da Philharmonie de Paris, Elbphilharmonie Hamburgo, Brucknerfest Linz, Liederhalle Stuttgart).

A temporada de 2021-2022 também se destaca pela nomeação do quarteto como “Artista Residente” da conceituada Universidade de Chicago. O Quatuor Diotima planeia três residências mais longas, incluindo apresentações, workshops e aulas.

As novas obras a serem estreadas nesta temporada são de compositores como Beat Furrer, Thomas Adès, Olga Neuwirth, Enno Poppe, Alexander Moosbrugger, Ying Wang, Marc Monnet, Mikolaj Loskowski, Alex Nante, Jeppe, entre outros, bem como dois ciclos de Mauro Lanza e Sasha Blondeau.

O Quatuor Diotima é subsidiado pelo DRAC e pelo Région Centre-Val de Loire e apoiada pelo SACEM, Institut français, Spedidam, Fonds pour la Création musicale, Adami, bem como por doadores privados.

A Académie Diotima é apoiada por Caisse des Dépôts et Consignations. O Quatuor Diotima é membro da organização profissional PROFEDIM.

Em 2018, o Quatuor Diotima recebeu o Prémio de Património Cultural Europeu do Ministério da Cultura da França.

Temporada 2021-2022
 
www.quatuordiotima.fr 

__

O IRCAM, Instituto de Investigação e Coordenação em Acústica/Música, é um dos maiores centros de investigação. Dedica-se tanto à criação musical, como à investigação científica. Este lugar único, onde sensibilidades artísticas colidem com inovação científica e tecnológica, tem direcção de Frank Madlener e conta com mais de 160 colaboradores.
O IRCAM desenvolve os seus três principais eixos de trabalho - criação, investigação, transmissão - ao longo de uma temporada de concertos em Paris, bem como de produções por toda a França e no estrangeiro, e em dois encontros anuais: o ManiFeste, que combina um festival internacional com uma academia multidisciplinar, e o fórum Vertigo, que apresenta mutações técnicas e os seus efeitos tangíveis na criação artística.
Fundado por Pierre Boulez, o IRCAM encontra-se associado ao Centre Pompidou, sob a tutela do Ministério da Cultura Francês. A unidade mista de pesquisa STMS (Sciences et technologies de la musique et du son), sediado no IRCAM, beneficia ainda do suporte do CNRS (Centre national de la recherche scientifique) e da Universidade Sorbonne.
Em 2020, foi criado o Ircam Amplify, uma sociedade de comercialização das inovações áudio, desenvolvidas pela instituição. Uma verdadeira ponte entre a vanguarda na investigação em áudio e o mundo industrial à escala global, o Ircam Amplify participa ativamente na revolução do som no Século XXI.

ircam.fr


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

MONOPASS

Newsletter