Dejana Sekulic


Dejana Sekulic

Temporality of the Impossible 

Lisboa Incomum | 29 de Outubro de 2022 | 19h30


Sinopse:

Temporality of the Impossible é um projecto em curso da violinista sérvia Dejana Sekulić, residente em Bruxelas.  Este projecto gira em torno da música recente que explora a extremidade e ambiguidade que emerge nos limites da possibilidade de interpretação do violino contemporâneo. O projecto centra-se em repertório onde a relação entre notação e som é pouco convencional, desafiante, incerta, ou mesmo confusa, bem como obras que utilizam preparações das cordas e afinações invulgares. Estas são obras que propõem - e por vezes exigem - uma reimaginação do papel do intérprete. O CD, que partilha do mesmo título, com selecção de repertório deste projecto, foi lançado pela Huddersfield Contemporary Records em Fevereiro de 2022. As sete obras presentes nesta edição, de Clara Iannotta, Rebecca Saunders, Liza Lim, Evan Johnson, Cathy Milliken, Aaron Cassidy e Dario Buccino, trazem a primeiro plano amatéria bruta, essencial, frágil e fugaz do violino, muitas vezes através de abordagens inovadoras em relação ao interface entre intérprete, instrumento, notação, movimento e som.

Entrada livre. Reservas para lisboaincomum@gmail.com


Programa:

Clara Iannotta: dead wasps in the jam jar (i) (2014-15), para violino solo 

Rebecca Saunders: Hauch (2018), para violino solo 

Cathy Milliken: Crie (2018), para violino solo 

Liza Lim: The Su Song Star Map ( 2017), para instrumento de corda solo 

Dario Buccino: Finalmente il tempo é intero nº 16 (2019), para violino solo




Notas de Programa:

In dead wasps in the jam-jar (i), Clara Iannotta
Clara Iannotta extende o violino com três preparações - clipes de papel espiral colocados em dois pontos das cordas Lá e Ré e um na corda Sol; uma surdina de metal; e um dedal de metal, que transforma e destabiliza a relação habitual entre dedo, corda, e som.
A peça é baseada no Courante e Double da Partita Nº 1 em B menor de J.S. Bach. Iannotta encontrou inspiração nas rápidas escalas de Bach, que aqui se tornam glissandi e fornecem a energia motriz da peça. Mas a técnica do glissando transforma-se de uma acção num objecto, com as pontas dos dedos e a pele a tornarem-se um tímpano táctil para o intérprete, e, para mim, de alguma forma, transforma o som num tacto. O que parece ser um glissando é, pelo contrário, uma sucessão extremamente rápida de nós de fio da corda "tocando" a pele do meu dedo. 

HauchRebecca Saunders
A obra explora as nuances timbrais mais silenciosas do registo mais alto das duas cordas de violino mais baixas, revelando as vozes frágeis contidas nas mesmas. Saunders considera o silêncio como a tela principal da obra: cada uma das oito secções da peça aparece de e desaparece no silêncio, e cada secção revela fragmentos dos vestígios de uma melodia em desenvolvimento em duas partes. A mão esquerda do intérprete navega principalmente nas posições mais altas, muitas vezes na proximidade do arco no final do braço do violino, criando uma relação especialmente delicada entre intenções, acções e resultados. Nas notas de execução, Saunders afirma que esta concepção táctil foi o impulso para a sua imaginação, insistindo que se deve prestar atenção à "menor diferenciação de toque na corda; a expansão dos músculos entre as omoplatas".

Crie, Cathy Milliken 
Crie, para violino solo e voz, é uma peça sensível, turbulenta e desafiante. Milliken inspira-se na vida, trabalho e trágico destino da jornalista maltesa Daphne Caruana Galizia. O longo arco da peça desenvolve-se através de secções mais curtas empregando diferentes densidades de repetição de fragmentos de um motivo. Em quatro casos este arco é interrompido, durante o qual o intérprete é convidado a repetir qualquer som que se lembre do que já tenha tocado. O som abundante com harmónicos, multifónicos e grão complementa os sons das cordas abertas, e a própria superfície de voz do intérprete dentro e fora desta paleta de sons, apelando à sensibilização para aqueles que foram silenciados ou que não têm voz. Estes gritos não são lágrimas de rendição, mas sim a respiração que emerge à medida que a sua coragem começa a despertar.

The Su Star MapLiza Lim
Com a sua escordatura, repetições intrincadas e entrelaçadas, e várias distorções e multifónicos, tocar The Su Song Star Map de Liza Lim faz-me acreditar que o som é uma porta de entrada para o continuum espaço-tempo. Colocando constantemente em conversa íntima as profundezas e trevas do registo baixo com harmónicos e multifónicos, Lim, inspirada nos mapas estelares do século XI, cria uma riqueza de timbres com os quais constrói uma arquitectura sonora complexa do universo. Para quem quer que se pergunte como soa a luz brilhante das estrelas que viajam através da vasta escuridão, The Su Song Star Map oferece uma resposta possível.

Finalmente il tempo é intero nº 16, Dario Buccino
Dario Buccino cria as suas composições usando processos aleatórios e um sistema a que se refere como HN, construído sobre o princípio hic et nunc (aqui e agora). Embora extremamente desafiante, Finalmente il tempo è intero n°16 é um recreio para a imaginação. Buccino apresenta oito identidades que se entrelaçam ao longo da peça - cada uma tem o seu próprio carácter claro (Mute Action, Magical Contribution, Back Voice, Tailpiece, Voice, Pad, Scribble, e MultiVoice), no qual a peça é desenvolvida uma melodia abrangente mas profundamente escondida. Quando uma identidade é desencadeada, proporciona uma abertura súbita para vislumbrar a sua versão da melodia. As identidades são compostas com um extenso conjunto de parâmetros fixos e hiper-detalhados (acções para as mãos esquerda e direita, e afectos endocorporais) coexistindo com indicações para a aplicação do sistema HN, muitas vezes com até 16 graus de diferença dentro de cada um. Isto exige que todos os elementos e parâmetros da obra sejam totalmente incorporados e internalizados pelo intérprete. Nunca haverá duas interpretações iguais - a diferença no resultado provém do vasto conjunto de possibilidades que o sistema HN dá ao executante para empregar e combinar diferentes componentes de um elemento dentro de uma identidade no momento da execução, chegando assim cada vez a um resultado sónico diferente.




Biografia:

Dejana, violinista, exploradora de som e de silêncio, e intérprete, nascida em 43°18'58.5 "N 21°54'39.5 "E. Actualmente, a sua investigação "Temporalidade do Impossível", desenvolvida nos institutos CeReNeM e ReCePP, Universidade de Huddersfield. centra-se na exploração do pensamento sobre o futuro no presente encarado como o passado, na perspectiva do repertório contemporâneo para violino. Dejana apresenta-se regularmente como solista,  no duo de violino e electrónica em tempo real que tem com Gilles Doneux, sendo igualmente a violinista do LAPS Ensemble, membro do OHHe Supercluster, do duo de violino e piano Momitani-Sekulic, e do colectivo de investigação sobre arte e educação  People Coming From NowHere. Trabalha igualmente nas áreas de instalação sonora interactiva e multimédia.

©Laura Mateescu









Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Culture and Sustainability Symposium 2022

Newsletter

Festival DME em Seia | Dez 2022